Com uma periodicidade mensal, este clube destina-se a promover o prazer da leitura partilhada, bem como o desenvolvimento de algumas técnicas que a ajudem a pôr em prática.
Para quem gosta de ler para os outros e de ouvir ler.

próxima sessão | 23 Fevereiro 2016

será o tema das leituras
***ATENÇÃO***
os textos terão de ser humorísticos

a Graciete lerá um autor para si desconhecido

Correspondências



Antes de entrarmos nas leituras do tema do dia assistimos à exposição da tese do João Duarte Victor sobre o CLEVA, bem como o vídeo que a acompanhou. Foi emocionante assistir em conjunto àquilo que tem sido este clube de leitura: relembrar momentos e pessoas, ver tratado academicamente e de forma tão generosa aquele que tem sido o trabalho da Andante com a comunidade em Alcochete.

Depois deste banho emocional, foi entregue pela senhora vereadora da cultura, Raquel Prazeres, uma lembrança da Câmara Municipal de Alcochete à Andante pelo trabalho desenvolvido nas comemorações dos 500 anos do Foral de Alcochete. Houve também um "diploma" de participação para os membros do CLEVA que colaboraram no espectáculo "À barca!", realizado em Janeiro de 2015 para as ditas comemorações.

Entrámos finalmente no tema do dia: CORRESPONDÊNCIAS.

No fim da sessão podia-se dizer que Fernando Pessoa era o grande vencedor da noite. A sua correspondência com Ofélia Queiroz e não só e ainda um romance de Sónia Louro (Fernando Pessoa O romance, ed. Saída de Emergência) onde as suas cartas são citadas.
Para além de Pessoa, tivemos correspondência de: Florbela Espanca, Eça de Queiroz (uma carta a Oliveira Martins e outra de Fradique Mendes a Guerra Junqueiro), Pero Vaz de Caminha (a maravilhosa Carta do Achamento do Brasil), Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena (a troca acutilante de cartas entre os dois poetas que foi editada pela Ed. Guerra e Paz), Ana Bacalhau ( a vocalista dos Deolinda que escreveu uma carta à avó, incluída no livro 21 Cartas de Amor, editado pela Associação Abraço) e Marta Gautier (excerto do romance Tanto que não te disse, editado pela Relógio D'Água). Houve ainda um poema de António Ramos Rosa, Telegrama, lido de forma entusiasmante pela Gabriela Postolache. Estes foram os autores portugueses. Dos estrangeiros, ouvimos: James Long ( um excerto do romance "Ferney" da ed. Planeta), Ian McEwan (um excerto de A Balada de Adam Henry, editado pela Gradiva), Susanna Tamaro (excerto de O fogo e o vento editado pela Presença) e Mario Vargas Llosa (um excerto do hilariante Pantaleão e as visitadoras, editado pela Dom Quixote).

A nossa "Feira do Livro Emprestado" vai de vento em popa e claro, acabámos como sempre: a comer e a beber.

Como a pessoa encarregue da rubrica "Autor desconhecido", neste caso a Graciete Correia, não pode estar presente, a Cristina falou de uma autora que nunca tinha lido: Elena Ferrante. O sucesso editorial de 2014 e 2015, o número elevado de leitores entusiastas, o mistério que envolve a autora (sabe-se muito pouco sobre a sua vida, não dá entrevistas e não aparece em público na divulgação dos seus romances), os críticos literários rendidos à sua forma de escrita, enfim, são muitas as razões que despertam a nossa curiosidade. Na biblioteca de Alcochete há dois livros seus e a Cristina requisitou logo "Os dias do abandono" que já está a ler e a adorar!!!

próxima sessão | 26 Janeiro 2016

será o tema das leituras

meu querido mês de Agosto




Esta sessão do CLEVA começou com um convite feito a todos para que estivessem presentes na defesa da tese de mestrado de João Duarte Victor sobre o nosso clube. O facto de ter acontecido numa sexta-feira às 14.30h, não ajudou a que comparecêssemos muitos, mas ainda fomos alguns. Podemos contar-lhes aqui que o resultado foi excelente, aliás, foi essa a nota atribuída pelo júri: EXCELENTE (18 valores). Foi emocionante ver o resultado da pesquisa do João e o reconhecimento do nosso trabalho.

Gravámos ainda em vídeo um poema de António Gedeão dedicado à Maria Abelha. A Maria, que fez parte da última edição do CLEVA, teve uma tragédia na sua vida, o que a tem impedido de comparecer às nossas sessões. Pelas saudades e votos de que ela se recomponha o melhor e o mais rapidamente possível, deixamos aqui esta pequena lembrança.

Passámos depois às leituras sobre o tema proposto: "Meu querido mês de Agosto". O tema foi, como sempre acontece em todas as sessões, interpretado por cada um de modo diferente. A frase é retirada de uma canção antiga de Dino Meira e retrata de modo simples (simplista?) a emigração portuguesa. Já tinha sido utilizada por Miguel Gomes no seu filme "Aquele querido mês de Agosto", e acabou por ser interpretada pela maioria dos participantes do CLEVA como uma referência ao Verão, às férias e à "felicidade" que lhe está associada.

Começámos por ouvir a Cristina a ler textos relacionados com a emigração de Rosalía de Castro (Pra Habana traduzido por José Niza), Ruy Belo (Morte ao meio dia), Pedro Abrunhosa (Para os braços da minha mãe) e J. Rentes de Carvalho (Ernestina).

Depois vieram os textos sobre o Verão, ou sobre Agosto ou mesmo o Sol: Sophia de Mello Breyner com um poema (Os dias do Verão) e um excerto da sua Menina do mar; Xico Braga e uma das suas Estórias (para adultos) infantis (A maré); um excerto de Os pescadores de Raul Brandão; um excerto de A relíquia de Eça de Queiroz; um excerto de Os pássaros de seda de Rosa Lobato de Faria; um excerto de Da felicidade de Herman Hesse; um excerto de Os cavalos de Tarquínia de Marguerite Duras; duas crónicas, uma de Alice Vieira (do livro Bica escaldada) e outra de Saramago (do livro Deste mundo e do outro); e ainda um poema de Vitorino Nemésio do livro Portugal a terra e o homem.

E só voltámos a ouvir falar de Dino Meira, ou melhor, a ouvir cantar o Dino Meira, no final da Sessão. A Celina e a Olívia construiram uma brincadeira à volta das "exigências" e regras do clube, sobre os autores escolhidos, sobre as fontes utilizadas, etc, e depois de passarem por Ary dos Santos, Shakespeare, Luís Graça, montaram um bailarico que todos adorámos e ao som do Dino Meira todos dançámos.


A Antónia Carvalho trouxe-nos um autor que ainda está a descobrir: Claudio Magris. O livro que apresentou: Danúbio. Aconselhamos a leitura e se alguém se dispuser a organizar uma viagem por esse Danúbio abaixo, contem comigo (Cristina).

100 links sobre a leitura

Pela revista brasileira "Nova Escola".

Formar leitores é uma tarefa que começa antes mesmo da alfabetização e se estende por toda a vida escolar. Pensando nisso, preparamos um especial com tudo o que você precisa saber sobre leitura! Confira reportagens, vídeos e planos de aula desenvolvidos especialmente para ajudar você a despertar em seus alunos o gosto pelos livros e garantir que eles consigam ler e entender os mais diversos tipos de texto. BOA LEITURA!

Continuar a ler aqui

A importância de ler diferente

Se você ler somente os livros que os outros estão lendo, você só pensará aquilo em que os outros estão pensando.

Continuar a ler aqui

para pais e filhos (exercitar a leitura em cada fase da infância)

As experiências vivenciadas pelas crianças têm grande influência no seu desenvolvimento. Tudo o que as crianças experimentam no mundo externo (vivências e estímulos cognitivos, sensoriais e afetivos) desempenham um papel em sua constituição como indivíduos. Uma importante vivência é ler para elas. A leitura é tão importante, que “receitar livros” se tornou uma recomendação médica.

Continuar a ler aqui

próxima sessão | 15 Dezembro 2015

será o tema das leituras

a Antónia lerá um autor para si desconhecido

música



Esta sessão do CLeVA tinha um tema apetecível: Música.

Ouvimos muitas "notas" tocadas por bons tocadores. Para que o concerto corresse bem, instalámos os músicos em formato de orquestra, afinámos os instrumentos, abrimos os ouvidos e começámos em uníssono com um pequeno/grande poema de João Pedro Mésseder:

«O silêncio vive numa casa
onde a música
entra quase sem pedir licença.»

E depois... depois vieram "Os Teclados" de Teolinda Gersão; "O que está lá fora" de Maurice Sendak; "Elfos ou Gnomos Tocam", um poema de Fernando Pessoa; a canção de Mack the Knife da "Ópera dos Três Vinténs" de Bertolt Brecht; um pequeno mas maravilhoso excerto de "O Chão que Ela Pisa" de Salman Rushdie; o "Requiem de Mozart" de Jorge de Sena; "O Livro da Música" de Keith Spence; a poesia surgiu de novo pela pena de José Saramago com o seu poema "Ouvindo Beethoven"; ouvimos um excerto do fabuloso "Dom Casmurro" de Machado de Assis e a poesia encerrou a sessão com dois poemas: um extraordinário de Manuel António Pina (de quem temos muitas saudades), "A morte de Mozart", e "O Primeiro Dia" de Sérgio Godinho que cantámos todos em coro.

Para além destas leituras, ainda houve tempo para a Olívia nos falar de um autor que lhe era desconhecido até agora: J. F. Matias. Não só nos falou do seu livro "A Guerra do Salavisa", como nos revelou que afinal o autor é nosso vizinho, vive em Alcochete.
Ainda antes de passarmos à mesa do São Martinho, repleta de bons sabores, anunciámos o tema da próxima sessão que se realizará a 15 de Dezembro: MEU QUERIDO MÊS DE AGOSTO.
A apresentação de um autor desconhecido ficará a cargo da Antónia Carvalho.

Fizemos um convite a todos para estarem presentes na dissertação de João Duarte Victor (que realizou um trabalho de pós graduação sobre o CLeVA) que será dia 18 de Dezembro às 14.30 na Eselx - Escola Superior de Educação de Lisboa, a arguente será A Profª. Maria Helena Serôdeo.

próxima sessão | 10 Novembro 2015

será o tema das leituras
ATENÇÃO
as leituras deverão preferencialmente ser feitas em grupo


a Olívia lerá um autor para si desconhecido

Prémio Nobel da Literatura




O novo/velho CLeVA

Mais uma vez nos juntámos na Biblioteca de Alcochete para partilhar leituras.

Desta vez, aos novos membros juntámos os antigos. O resultado foi uma sala cheia de amigos.

Ainda antes de passar à leitura dos textos, estabelecemos as “novas regras” de funcionamento para este ano:

  • reunimo-nos mensalmente;
  • para cada sessão há um tema;
  • as leituras nunca ultrapassam os três minutos;
  • lemos sempre dos livros e não de “descobertas” feitas à ultima da hora na internet;
  • fazemos uma “feira do livro" emprestado;
  • uma pessoa apresenta uma leitura de um autor até aí desconhecido para si;
  • tentaremos que cada sessão seja uma festa e para isso e como nem só de livros se vive, trazemos sempre algo para comer ou beber.

Seguidamente brincámos com uma lengalenga. 
Aqui na versão recolhida por Luísa Ducla Soares:

À morte ninguém escapa,
Nem o rei, nem o papa,
Mas escapo eu.
Compro uma panela,
Custa-me um vintém,
Meto-me dentro dela
E tapo-me muito bem,
Então a morte passa e diz:
- Truz, truz! Quem está ali?
- Aqui, aqui não está ninguém.
- Adeus meus senhores,
Passem muito bem

Tentámos decorá-la, o que afinal nem se revelou difícil.
E ainda vimos como Margarida Mestre e António Pedro a trabalharam num espectáculo maravilhoso de divulgação de poesia para a infância: Poemas para bocas pequenas. Para além do espectáculo, existe um livro e um CD editados pela BOCA.
Vimos em conjunto este video clip:



Passámos depois aos livros e suas leituras.

Nesta primeira sessão, o tema proposto foi: Prémio Nobel da Literatura. 

Naturalmente ouvimos vários excertos de textos do nosso Nobel da Literatura, José Saramago: A maior flor do mundo, Todos os Nomes, Memorial do Convento, A viagem do elefante e a Carta a Josefa, minha avó do livro de crónicas, Deste Mundo e do Outro.

A próxima sessão ficou marcada para dia 10 de Novembro e o tema das leituras será: MÚSICA.

A Olívia ficou encarregada de escolher um autor que nunca tenha lido até agora e de nos mostrar/ler o que descobriu.

No final, e apesar do adiantado da hora, fizemos a festa.

próxima sessão | 27 Outubro 2015

A 6ª edição do Clube de Leitura em Voz Alta de Alcochete está prestes a começar

será o tema das leituras