A partir de Outubro de 2017, a iniciar o seu 8º ano de existência, o Clube de Leitura em Voz Alta passa a Coro de Leitura em Voz Alta. Continuará a ter uma periodicidade quinzenal e a acontecer na Biblioteca de Alcochete.

Os objectivos continuam a ser os mesmos; promover o prazer da leitura partilhada; a forma passará a ser outra.

27 de Abril - Livro do Dia

O Livro do Dia foi "O meu pé de laranja-lima" de José Mauro de Vasconcelos

27 de Abril - Os adolescentes e a leitura

Introdução
De A leitura em voz alta de Geoges Jean, um excerto sobre a "manducação"

Leituras do dia
Ora estando a manducação associada ao acto de comer, nada mais adequado que a leitura da Paula: Leonia devora os livros, de Laurence Herbert, sobre um complicado caso de bibliofagia. Depois desta leitura, ... o nível está agora muito alto!

E ainda sob o signo da alimentação, foi lido o mais recente anúncio da sumol (acham que eles nos patrocinam? sempre é publicidade gratuita!).

E ainda excertos de...

- Kafka à beira-mar (Haruki Marukami)
- O lugar da televisão (Mário Castrim)
- Diário de um adolescente com a mania da saúde (Aidan McFarlane)
- O leitor (Bernard Schlink) a partir do qual se fez o filme com o mesmo nome.
Uma nota interssante da Virgínia: o título original deste livro (Der Vorleser) refere-se ao leitor que lê (em voz alta) para os outros.
- Silogismos da adolescência
- Os 15 anos (in Os meus problemas de Miguel Esteves Cardoso)
- Luki-Live (Christine Nostlinger)
- O Principezinho (Saint-Exupéry)
- Michell Vaillant O Homem de Lisboa
- Christianne F.
- Os Maias (Eça de Queirós)

Poesia de Manuel da Fonseca

é já no próximo domingo, dia 2 de Maio, pelas 17h00 na Biblioteca Municipal de Alcochete,

fica aqui um uma pequena amostra:


também há mais para escutar, aqui

próximo clube - dia 11 de Maio

Com o objectivo de participarmos, no próximo dia 14 de Maio numa noite de poesia no Bar Pelourinho em Alcochete, os textos escolhidos para este tema serão todos; POEMAS, subordinados ao tema sorteado para a nossa próxima sessão do clube.

o livro do dia

da próxima sessão, estará a cargo de:

isto é mesmo divertido




Verba Volent, Scripta Manent

Não sei que mais coisas importantes irão acontecer na minha vida. Afinal de contas, só tenho dezasseis anos e se não houver azar vão aparecer-me outras coisas daquelas que um tipo diz: sim senhor, isto é mesmo importante. No meu caso, por exemplo, será: perder a virgindade. Esteve mesmo para acontecer, mas falhou no último minuto, a Vanessa não quis. Claro que isto é uma confissão só para o papel...

JOÃO AGUIAR
O prazer da leitura

foi a minha sugestão de hoje
fernando ladeira

E a da Xana...

O Último Negócio

Certa manhã
ia eu pelo caminho pedregoso, ~
quando, de espada desembainhada,
chegou o Rei no seu carro.
Gritei:
— Vendo-me!
O Rei tomou-me pela mão e disse:
— Sou poderoso, posso comprar-te.
Mas de nada lhe serviu o seu poder
e voltou sem mim no seu carro.

As casas estavam fechadas
ao sol do meio dia,
e eu vagueava pelo beco tortuoso
quando um velho
com um saco de oiro às costas
me saiu ao encontro.
Hesitou um momento, e disse:
— Posso comprar-te.
Uma a uma contou as suas moedas.
Mas eu voltei-lhe as costas e fui-me embora.

Anoitecia
e a sebe do jardim estava toda florida.
Uma gentil rapariga
apareceu diante de mim, e disse:
— Compro-te com o meu sorriso.
Mas o sorriso empalideceu
e apagou-se nas suas lágrimas.
E regressou outra vez à sombra,
sozinha.

O sol faiscava na areia
e as ondas do mar
quebravam-se caprichosamente.
Um menino estava sentado na praia
brincando com as conchas.
Levantou a cabeça
e, como se me conhecesse, disse:
— Posso comprar-te com nada.

Desde que fiz este negócio
a brincar, sou livre.

Rabindranath Tagore, in "O Coração da Primavera"
Tradução de Manuel Simões

O vagabundo do mar

a escolha da Paula :)




Sou barco de vela e remo
sou vagabundo do mar.
Não tenho escala marcada
nem hora para chegar:
é tudo conforme o vento,
tudo conforme a maré...
Muitas vezes acontece
largar o rumo tomado
da praia para onde ia...
Foi o vento que virou?
Foi o mar que enraiveceu
e não há porto de abrigo?
Ou foi a minha vontade
de vagabundo do mar?
Sei lá.
Fosse o que fosse
não tenho rota marcada
ando ao sabor da maré.
É por isso, meus amigos,
que a tempestade da Vida
me apanhou no alto mar.
E agora
queira ou não queira,
cara alegre e braço forte:
estou no meu posto a lutar!
Se for ao fundo acabou-se.
Estas coisas acontecem
aos vagabundos do mar.

Manuel da Fonseca

p.s. dia 2 de Maio às 17h00 na biblioteca, apareçam e divulguem

próximo clube - dia 27 de Abril

a liberdade de todos; e a de cada um

e ainda:


Por delicadeza de Sophia de Mello Breyner Andresen

Trova do vento que passa de Manuel Alegre

Grimus (excerto) de Salman Rusdhie


Uma história da leitura
de Alberto Manguel

Um guia breve, mas útil, da desobediência civil

Para fazer uma revolução há duas coisas indispensáveis: alguém ou alguma coisa contra que se revoltar e alguém que vá para a frente e o faça. A indumentária é geralmente informal e ambas as partes podem mostrar-se flexíveis em relação à hora e ao local, mas se uma das facções não comparecer é provável que todo o empreendimento fracasse. (...)

As pessoas ou partidos contra os quais a revolução é feita denominam-se «opressores» e reconhecem-se facilmente por parecerem ser os únicos que se divertem. Geralmente, os «opressores» vestem fatos, possuem terras e põem os rádios muito alto até às tantas da noite sem que os insultem. A tarefa deles é manter o status quo, uma situação em que tudo permanece na mesma, ainda que tenham vontade de pintar de dois em dois anos.

Quando os «opressores» se tornam demasiado ríspidos temos aquilo a que se chama um estado policial, onde todas as dissensões estão proibidas, tal como o está rir entre dentes, aparecer com um laço ao pescoço ou chamar «Bucha» ao presidente da Câmara. As liberdades civis num estado policial estão muitíssimo limitadas, e a liberdade de expressão é desconhecida, apesar de ser permitido utilizar mímica num relatório. Não se toleram opiniões críticas sobre o Governo, especialmente a respeito da forma como os seus membros dançam. A liberdade de imprensa também está limitada e o partido no Poder «controla» as notícias, permitindo aos cidadãos ouvir unicamente as ideias políticas aceites e os golos que não provoquem desassossego.

Os que se revoltam são conhecidos por «oprimidos» e geralmente podem ser vistos movendo-se em grupos, a resmungarem ou a queixarem-se de dores de cabeça. (Há que assinalar que os opressores nunca se revoltam ou tentam transformar-se em oprimidos, porque isso acarretaria mudarem de roupa interior.) (…)

Quando se faz uma manifestação é bom levar um cartaz exprimindo o que se pretende. Sugestões para algumas pretensões:
1) baixar os impostos;
2) subir os impostos;
3) deixar de sorrir aos Persas.

Outros métodos de desobediência civil:
- Parar em frente do City Hall e entoar a palavra «pudim» até que as nossas exigências sejam satisfeitas.
- Engarrafar o trânsito levando um rebanho de carneiros para a zona comercial. (…)
- Vestir-se de polícia para saltar à corda.
- Disfarçar-se de alcachofra e beliscar as pessoas ao passar.

Woody Allen
de Sem Penas
ed. Livraria Bertrand




















foi a minha escolha de hoje :)

fernando

Conquista - Miguel Torga

















Livre não sou, que nem a própria vida
Mo consente.
Mas a minha aguerrida
Teimosia
É quebrar dia a dia
Um grilhão da corrente.

Livre não sou, mas quero a liberdade.
Trago-a dentro de mim como um destino.
E vão lá desdizer o sonho do menino
Que se afogou e flutua
Entre nenúfares de serenidade
Depois de ter a lua!


Antologia Poética, pp 132

20 de Abril - A liberdade de todos; e de cada um

Leituras desta sessão
- Liberdade s. f. condição do ser que pode agir livremente, isto é, consoante as leis da sua natureza, da sua fantasia, da sua vontade; poder ou direito de agir sem coerção ou impedimento; poder de se determinar a si mesmo, em plena consciência e após reflexão, e independentemente das forças interiores de ordem racional; livre arbítrio (...)
[in Dicionário Porto Editora, 1996 a minha versão. Lida a versão de 2005]
- "Balada do Rei das Sereias" de Manuel Bandeira
- "Liberdade" de Fernando Pessoa
- "Cântico Negro" de José Regio
- "Carta do Chefe Indio Seattle ao Presidente Franklin Pierce" (a que me permito juntar uma salutar discussão sobre a autenticidade da mesma)
- "Manifesto" de António Maria Lisboa
- "Soneto à Liberdade" de Oscar Wilde
- "Sou vagabundo do Mar" de Manuel da Fonseca
- "Carta a meus filhos sobre os fuzilamentos de Goya" in Metamorfoses, de Jorge de Sena (aqui numa versão dita por Mário Viegas)
- "Espírito", em tradução livre a partir de Spirit, dos Waterboys (aqui um video com a música original) ... em abono da verdade foi uma tradução bastante bem conseguida!

A minha Leitura
Para o tema desta sessão chegou-me a inspiração... de avião! Depois de vários dias à procura do que poderia ser uma boa escolha para este tema, um avião chamado "Natália Correia" foi a chave para a minha escolha. Antes de escolher o "Poema destinado a haver Domingo", que deixo mais abaixo, ainda passei pelo "Soneto de Abril" e pela "Queixa das almas jovens censuradas".

Bastam-me as cinco pontas de uma estrela
E a cor dum navio em movimento
E como ave, ficar parada a vê-la
E como flor, qualquer odor no vento.

Basta-me a lua ter aqui deixado
Um luminoso fio de cabelo
Para levar o céu todo enrolado
Na discreta ambição do meu novelo.

Só há espigas a crescer comigo
Numa seara para passear a pé
Esta distância achada pelo trigo
Que me dá só o pão daquilo que é.

Deixem ao dia a cama de um domingo
Para deitar um lírio que lhe sobre.
E a tarde cor-de-rosa de um flamingo
Seja o tecto da casa que me cobre

Baste o que o tempo traz na sua anilha
Como uma rosa traz Abril no seio.
E que o mar dê o fruto duma ilha
Onde o Amor por fim tenha recreio.

[Natália Correia in Poesia Completa, 1999]

ainda o Mark Twain

Olá!!!:O)
Este poema, que me enviou uma Amiga, lembrou-me muito o espírito de Twain e da sua pequena/enorme personagem…
Apenas para compartilhar:
Pedagogia
Brinca enquanto souberes!
Tudo o que é bom e belo
Se desaprende…
A vida compra e vende
A perdição,
Alheado e feliz,
Brinca no mundo da imaginação,
Que nenhum outro mundo contradiz!

Brinca instintivamente
Como um bicho!
Fura os olhos do tempo,
E à volta do seu pasmo alvar
De cabra-cega tonta,
A saltar e a correr,
Desafronta
O adulto que hás-de ser!

Miguel Torga
Beijinhos,
Alexandra Justino

outros livros da sessão do Tom Sawyer

Como um romance de Daniel Pennac
Selma de Jutta Bauer

Mulheres que correm com os lobos - Clarissa Pinkola
pode-se descarregar o PDF, em português do Brasil, aqui

Diário inventado de um menino já crescido - José Fanha
a Cristina leu "O meu amigo Valdemar"



acerca dos Esteiros de Soeiro Pereira Gomes

Ao ouvirmos a escolha da Helena Ramos não pudemos deixar de sorrir pois ainda há bem pouco tempo tínhamos andado à volta deste mesmo excerto.

ou isto ou aquilo - cecília meireles


genérico da série

6 de Abril - Tom Sawyer



Leituras

Tom Sawyer: aventuras de rapazes que gostavam de andar descalços, um rio em pano de fundo... ao optimismo da história contrapõe-se então uma história também de rapazes, também com um rio em pano de fundo, mas que andam descalços não por vontade mas por necessidade. A minha escolha recaiu num pequeno excerto da estação do "Outono".

"Gaitinhas avistou Gineto logo à entrada da feira. (...) Gineto e Gaitinhas pararam junto dos carróceis que eram dois. O maior, iluminado por lâmpadas multicores, tentava os olhos. Tinha cavalinhos com as patas no ar, galos de crista alta, bichos variados sobre um tapete rolante que oscilava como os barcos do rio. O outro, perro e mal iluminado, só tinha cavalinhos.
- Qual queres? – perguntou Gineto.
Gaitinhas demorou a resposta. Olhou o carrocel velho, sem ninguém, e os cavalinhos tristes, parados. A voz rouca do dono parecia chamá-lo.
- Vai andar...Vai andar...
- Vamos neste – disse Gaitinhas.
Gineto entregou os dez tostões. As luzes encheram-se de brilho; a campainha anunciou a corrida e chamou mais gente.
-Vai andar...
E andou ao som do realejo estafado e do motor que roncava, arquejante, enquanto um homem pálido procurava bater pratos a compasso.
- Linda música - exclamou Gatinhas.
Fazia-o esquecer a doença da mãe e os sapatos rotos. O cavalo galopava no espaço, através das estrelas e ele levava um sorriso nos lábios. (...)
Gineto fizera-se Tom Mix em pensamento e cravara esporas no cavalo, a que chamou Malacara. Dentes cerrados e o lenço ondulando ao vento, cingia nos braços a pálida Rosete, arrebatada aos bandidos. O cavalo saltava muros e esteiros, sem parar. E o Malesso, o Saguí e todos os companheiros do telhal acenavam ao longe, muito ao longe ...
O carrocel parou. Mas a alegria da viagem ficou ainda a bailar nos olhos de Gineto e nos lábios de Gaitinhas."
[in Esteiros, Soeiro Pereira Gomes]

Outras leituras
- Meia-Noite ou o Princípio do Mundo (Richard Zimmler)
- Aventuras de João sem Medo (José Gomes Ferreira)
- A letra do genérico da serie de desenhos animados
- O regresso do menino Nicolau (Sempé e Goscinny)

E aqui fica o link para Tom Sawyer dos Rush

Livro do Dia
Calhou-me em sorte ser a primeira (bem... a segunda!). Não podiam deixar de ser as Histórias Maravilhosas do Oriente de Pearl Buck. Escolhi uma história da India (por ser a mais curta, mas também muito cheia de filosofia): O tigre, o brâmane e o chacal.

Exercício
Um canto de jograis à volta de Ou isto ou Aquilo de Cecília Meireles.

Ou isto ou aquilo [3x todos + 3 suspiros]

Ou se tem chuva e não se tem sol
ou se tem sol e não se tem chuva!

[3 suspiros]

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

[1 suspiro]

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

[3 suspiros]

É uma grande pena [repete + 2 x]que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

[todos: 'É uma grande pena' + 1 suspiro]

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo . . .
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

[todos: +3x 'Se é isto ou aquilo' + 1 suspiro]

O que é, como funciona e regras básicas

O que é o CLeVA? Clube de Leitura em Voz Alta de Alcochete. Um grupo de pessoas que se reúne quinzenalmente, na Biblioteca de Alco...